Talentos da Fé goleia MR FC e garante vaga antecipada nas quartas de final do Carioca

Por Gil Nascimento

No fim da tarde de sábado rolou a 3° rodada da 7° edição do Campeonato Carioca Evangélico e a equipe do Talentos da Fé se firmou com a sua 3° vitória na competição, dessa vez em cima do MR FC, crescendo as chances de levar o título. Um jogo brigado, um tanto quanto inesperado 6×1, muita garra dos jogadores e, acima de tudo, muita vontade de vitória. Com o triunfo, o time da Tijuca garantiu classificação antecipada para as quartas de final.

O Talentos começou o jogo bem melhor e foi só ataque no início. Mesmo sem finalizar bem, as chances eram todas do time vinho. De tanto tentar, o gol tijucano saiu, aliás, os gols saíram, pois Matheus fez 2×0 em sequência. O MR FC parecia zonzo em campo e assistia ao rival fazer seu melhor jogo. Léo tentou com passes perigosos, mas o goleiro do time de Campo Grande segurou as investidas com maestria. Mas o camisa 7 não desistiu e, numa boa assistência para Diogo, ajudou a fazer o terceiro gol. A equipe vencedora seguia com maior posse de bola, placar 3×0 e com o pôr do sol, acabou também a primeira parte do jogo.

Na segunda parte, o MR interagiu melhor no campo, Júlio César mandou uma bola perigosa para o gol, mas sem sucesso. Teve pedidos dos dois times para que houvesse troca de bola, não foi possível, jogo ficou monótono por alguns minutos, tentativas de ataque desorganizadas, faltas mal marcadas, mas, ainda assim, as atenções se concentraram na área do MR. Um gol atrapalhado de Mateus fez do placar 3×1 e levantou uma fagulha de esperança no time vermelho e branco de reação, mas Léo eliminou as esperanças com o quarto gol da Talentos, sozinho com o goleiro que não teve como segurar.

Perto do fim do jogo, qual o resultado de 4×1 já era aceito como final, teve novidades: Ricardo jogou para Guilherme fazer o quinto, e Léo deu assistência para Matheus, que saiu no primeiro tempo e voltou no segundo para fazer seu terceiro gol, fechar o jogo com 6 para os vencedores. Embora tenha havido algumas confusões cabíveis a uma partida de futebol, as equipes fizeram um jogo leal, e o MR FC precisa melhorar seu desempenho urgentemente,  visto que veio piorando em relação aos últimos jogos também com derrotas e sua permanência no campeonato está comprometida.

Os destaques foram Matheus, melhor na partida, Diogo e Léo do Talentos da Fé, todos com resultados em gol e assistências,  tiveram um bom entrosamento e atuação em campo.

Na próxima rodada, dia 29, o Talentos enfrenta o Real BR e o MR FC, ainda sem pontos no campeonato, encara o União IBV.

 

Sete Vezes Mais acorda no segundo tempo, vira pra cima do Maanaim FC e vence a primeira no Carioca

Por Lucas Bichão

Sete Vezes Mais e Maanaim FC, dois (2) times, doze (12) gols feitos, vinte e seis (26) gols cedidos, zero (0) pontos conquistados. Essas eram as estatísticas somadas das equipes que se enfrentaram no último sábado pela 7ª edição do Carioca Evangélico. Números esses, que traduzidos, significavam uma única coisa: a necessidade de vitória na 3ª rodada.

Em campo dois cenários foram produzidos, no primeiro uma vitória parcial por 4 a 3 dos azuis turquesa (que vestiam verde na ocasião). Em um segundo momento, virada irrevogável dos samurais do Sete Vezes para 10 a 4, placar esse que surpreendeu e calou a torcida adversária.

O primeiro tempo teve um dono, Lucas Tenório

“Camisa 10 Joga Bola Até Na Chuva” foi o décimo lançamento de estúdio da banda de rock conhecida pela alcunha de Charlie Brown Jr. Com singles como “Dona do Meu Pensamento”, “Me Encontra” e a icônica “Só os Loucos Sabem” o CD chegou ao topo e garantiu um Grammy Latino em 2010. Agora, o que isso tem haver com futebol? A resposta está justamente no número da camisa.

A camisa 10 do esporte bretão possui um peso histórico que é passado de geração em geração. De Pelé à Messi, passando por Zico, Maradona e Zidane. Esses são só alguns exemplos de ícones que se tornaram lendas e seus feitos ficariam e ficarão guardados na memória de muitos por vários anos. Pois, se Lucas Tenório não é uma lenda mundial, as suas atuações vem sendo reconhecidas com bons olhos no campo do Pau Ferro Futebol Clube.

O 10 do Maanaim FC foi o peso que desequilibra a balança. Autor de quatro (4) gols ao longo do primeiro tempo, atuou bem nos contra-ataques e utilizou de sua boa pontaria para marcar três (3) vezes de fora da área. O Sete Vezes Mais até balançou as redes em três oportunidades (2x com Leonardo e 1x com Whashington), mas ninguém pôde superar o brilhantismo de Lucas Tenório.

A camisa 10 torna a brilhar, mas por outras cores

Uma das magias dos dilemas do futebol é que eles não costumam ser partidários. Onde há uma camisa 10 bem vestida o espetacular pode acontecer. Leonardo, do Sete Vezes Mais, usou e abusou dos poderes fornecidos por sua vestimenta e adicionou isso ao seu óbvio talento nato.

Funcionando como pivô e orquestrando as jogadas de ataque, a Formiga Atômica cresceu para cima de seus adversários. Foi assistente no gol de empate, servindo muito bem seu companheiro Shogun. Foram dele também o passe para o tento de Mineiro e o gol que seria a pintura da partida. O meia interceptou uma bola mal recuada, fez o zagueiro dançar e finalizou com uma cavadinha para encobrir o goleiro.

O Sete Vezes Mais não conseguiu recusar os presentes oferecidos pelo adversário, marcando ao todo 7 vezes na etapa final e dando jus ao nome que escolheram para sua equipe. Com uma vitória retumbante os três pontos foram garantidos, os samurais (4º) afundaram de vez o Maanaim (6º) e escalaram na tentativa de arrancar de seus rivais de grupo uma vaga na fase eliminatória.

O alívio ao apito final não veio apenas de uma equipe que precisava vencer, mas também de um manto que tem gosto por honrar seus feitos históricos. Charlie Brown Jr. até pode estar certo sobre camisas 10 jogarem bola até na chuva, mas neste sábado os 10 fizeram o sol brilhar no bairro do Pechincha.

Notas Relevantes:

Leonardo (Meia | Sete Vezes Mais) – 9,0: fugiu de sua posição de origem em 90% do tempo de partida, atuando como pivô e em dados momentos pela ala. Foi quem mais incomodou a zaga adversária e isso lhe proporcionou um hat-trick duplo (3 Gols | 3 Assistências).

Shogun (Meia | Sete Vezes Mais) – 8,0: teria sido o jogador da partida se não houvesse o brilhantismo do camisa 10. Entrou no segundo tempo colocando fogo em campo e ativando um brio na equipe que não se via ao fim da primeira etapa. Também foi autor de um hat-trick (3 Gols).

Lucas Tenório (Meia | Maanaim FC) – 8,0: os 25 minutos iniciais foram irretocáveis, mas desapareceu com todo o seu time no momento decisivo. Com os 4 tentos marcados tornou-se um dos artilheiros do campeonato ao lado de Lucas Di Maria e Felipe, todos com 7 gols até a 3ª rodada.

 

 

Avassalador, Guerreiro atropela Real BR, vence a terceira e já se garante nas quartas de final do Carioca

Por Rayane Quintanilha

A tarde de sábado, 15/09, animou o ânimo dos times Guerreiro FC e Real BR. Tudo indicava ser uma partida equilibrada ou até mesmo nivelada pelos quesitos, foco, fé e vontade. Antes da partida iniciar, o Real apresentava características que demonstravam a determinação e vontade de vencer do time na rodada. O que, por outro lado, não aconteceu com o Guerreiro, que ultrapassou um pouco o horário e não desfrutou daquele tempinho de concentração do pré-jogo.

A bola rolou e nos primeiros 4’ a organização do Real impressionava, o toque era preciso, a posse de bola se fazia maior com o time azul, mas faltava apenas o ajuste para que se chagasse ao gol. Se isso faltava de um lado, aparecia no outro. O Guerreiro tinha menos a bola, mas quando tinha oportunidade era vital. Bruno deu o primeiro chute a gol, mas o goleiro do Real estava atento e não deixou a bola entrar. Em seguida, após um contra-ataque sem muito sucesso do Real BR, aproveitando todo e qualquer espaço possível, Ernesto entrou na área sozinho e marcou o primeiro para o atual campeão. Guerreiro 1×0.

O jogo começava a se equilibrar a nível de oportunidades, entretanto se fazia muito faltoso.
Tão faltoso que antes mesmo de terminar o 1° tempo, o Guerreiro já tinha excedido seu limites de faltas. Após o primeiro gol o empate veio rápido; depois de um ataque bem trabalhado o gigante Andrew, sozinho, mandou um bomba para dentro do gol. A equipe que outrora era traída por seus erros de passe, agora voltava à determinação do inicio, 1×1.

Mesmo tendo aproveitado bastante o erro adversário, o Guerreiro também não estava isento de cometer suas próprias falhas. Tanto não estava que por um recuo errado de Bruno para o goleiro Geovane, Bruno, jogador do Real, estava  ligado e tocou para Andrew que virou  para o Real, 2×1. Com alguns conflitos entre os jogadores do mesmo grupo dentro de campo, o Real continuava buscando sua vitória e sabia das dificuldades do jogo. Dificuldades estas conhecidas por, Bruno , Ronald e Ernesto, o trio apresentava-se exímio ao jogo desde o apito inicial. Buscando a todo custo o resultado positivo, de rebote, Bruno marcou o terceiro de sua equipe, 3×1. O que poderia parecer sonho, a qualquer momento poderia tornar-se pesadelo. Ainda no 1° tempo, o Guerreiro se organizou a ponto de buscar o empate de maneira muito rápida. Gilson mandou um chute que deixou o goleiro Rodrigo sem chances de defesa, era o time amarelo reagindo como sempre fazia, 3×2. Logo não demorou e o zagueiro Lucas, sozinho na entrada da área, mandou bonito pra dentro do gol e comemorou bastante a busca rápida pelo empate 3×3.

2° tempo.

No segundo tempo o jogo virou literalmente, a postura assumida pela equipe do Guerreiro é sempre favorável a seus anseios, não é atoa que estão invictos na competição. As coisas para o Real que já não fluíam muito bem, como um castelo de areia, tendeu a desmoronar ainda mais. Após uma recuperação de bola excepcional, Ernesto deu o passe e Bruno finalizou, 4×3 Guerreiros FC.  Ambas as equipes tinham jogadores que destacavam-se e contribuíam muito para seus resultados, de um lado Ronald que só participou efetivamente do penúltimo gol do Guerreiro, mas esteve presente em 90% dos lances, bastava olhar para uma das laterais que lá estava ele participando de toda a movimentação e do outro o Goleiro do Real BR, Rodrigo, que por diversas vezes salvou o time.

Inesperadamente, mesmo com um ótimo goleiro, o Real sofria conflitos internos, motivo pelo qual fez com que aquele time focado dos 15 primeiros minutos, se perdesse completamente. As discussões e cobranças entre si fizeram com que os jogadores perdessem a capacidade de focar exclusivamente no jogo. Com isso, mais uma vez a equipe adversária se fez distinta. Daí por diante, mesmo sem desistir e correndo atrás, todos os resultados se fizeram favoráveis ao Guerreiro. Tentando uma reação, Di Maria virou um bolão para Andrew que por pouco não fez o quarto do Real.

Dessa forma, jogando tranquilamente, sem alterações de humor, desfrutando do entrosamento e harmonia, que o Guerreiro transformou o jogo num grande passeio.  João Filipe faz um pênalti em Ernesto que foi lá e marcou mais uma vez. 5×3 Guerreiro FC.
O Real passou a perder praticamente todas as bolas, era como se algo já não fizesse mais sentido no jogo, o time estava irreconhecível, ao passo de observar seu oponente marcar outras quatro vezes e chagar ao incrível resultado de 9×3.

Todos os outros quatro gols do time amarelo foram consecutivos, marcados faltando 10’ para o fim do jogo, era uma média de um gol a cada dois ataques. Ronald se consagrava como o craque da partida, seu movimento em campo era bom, todas as suas participações resultavam em gol. O sexto veio de uma jogada de Ronald para Bruno, que foi lá e mandou a bola pra rede, 6×3. Gilson, de rebote, marcou de novo, elevando novamente o placar, 7×3. Ronald aparecia mais uma vez, depois de Ernesto encobrir o goleiro com um belo lençol, Ronald empurrou e marcou o oitavo, 8×3. E no último lance do jogo, Danilo tocou para Ernesto que fechou o placar com o nono gol do Guerreiro. Final, 9×3.

O Guerreiro mostrou mais uma vez que está muito forte e focado no bicampeonato. Com três vitórias em três jogos, o time de Belford Roxo já está garantido nas quartas de final. Na próxima rodada o adversário será o GDC FC. Já o Real BR levou um duro golpe num jogo que dominava. Serve de aprendizado para uma equipe que também tem condições de chegar ao título. No dia 29, quarta rodada, o adversário será o Talentos da Fé.

 

 

GDC FC Goleia União IBV por 6×0 e conquista primeira vitória no Carioca

Por Eduane Pereira

Na tarde de sábado, 16 de Setembro, aconteceu a terceira rodada do Campeonato Carioca Evangélico, marcado por um duelo entre o GDC FC e o União IBV FC no campo do Pau Ferro. Ambas as equipes vieram de duas derrotas e precisavam da vitória para conseguir uma melhor posição no grupo A. O GDC que é uma equipe antiga no campeonato, entrou em campo com muita garra e determinação, já o União mostrou falta de experiência e um ataque fraco. O GDC FC conseguiu a vitória por 6×0 e o craque da partida foi o camisa 9, André Machado, autor de três golaços.

O primeiro tempo iniciou com o ataque do GDC FC, André roubou a bola da equipe adversária e marcou um golaço, na sequência Julio Cesar fez um cruzamento para Nixon que recebeu e finalizou com um belo gol. O União, após sofrer dois gols, melhorou seu desempenho na partida e se reforçou na defesa, a equipe arriscou algumas jogadas na tentativa de marcar o gol, mas não teve sucesso.

Aos 20 minutos de jogo, Beltessazar e Eduardo trabalharam em dupla para buscar o terceiro gol, mas o goleiro Gabriel fez uma boa defesa. Heron buscou o gol para sua equipe, o camisa 6 roubou a bola de Julio Cesar e chutou, mas a bola foi em cheio na trave. No final do primeiro tempo o União IBV sentiu a pressão do placar 2×0 e se desesperou, tentou alguns chutes fortes ao gol, mas o goleiro do GDC fez ótimas defesas.

O GDC FC retornou para o campo marcando um golaço, feito por Eduardo Lopes, o camisa 14 bateu falta e acertou em cheio o gol. Com o placar em 3×0, Heron buscou o gol com um chute forte, mas Josivan agarrou em tempo. Em seguida, Marcos com Wemerson criaram uma ótima jogada, mas não conseguiu marcar o gol. Aos 14 minutos do segundo tempo, Nixon deu um passe certeiro para André que recebeu e concluiu com um golaço.

Faltando 6 minutos para terminar a partida, Nixon tentou marcar o quinto gol, o camisa 17 correu sozinho pela lateral e chutou forte para o gol, mas Gabriel espalmou para fora. Na sequência, Osvaldo também buscou o gol pela lateral, mas não conseguiu finalizar e tocou para Julio Cesar, o camisa 21 recebeu e chutou cruzado para gol, sacudindo a rede do União IBV FC.

No final da partida, faltando apenas 2 minutos, Eduardo Lopes criou uma boa jogada e tocou para André que marcou um golaço. Heron e Marcos tentaram marcar o gol em seguida, mas a partida terminou com a merecida vitória do GDC FC de 6×0. O destaque do jogo foi o camisa 9, André Machado, autor de três gols.

Notas:

André Machado – 9,0: O pivô do GDC FC teve um bom desempenho na partida, se destacou nas jogadas e marcou três gols.

Julio Cesar – 8,5: O meia do GDC FC, também foi um dos destaques do jogo, marcou um gol e uma assistência, participou das jogadas coletivas e aproveitou as oportunidades em campo.

Heron Olivares – 6,5: O meia do União IBV FC estava muito seguro no primeiro tempo e criou boas jogadas, mas não teve tanta sorte para finalizar e marcar o gol. Já no segundo tempo, o camisa 6 sentiu a pressão do placar e não conseguiu trabalhar no coletivo.

 

Parábola FC derrota Galáticos da Catedral e garante classificação antecipada para as quartas de final do Carioca

Por Erika Pereira

No último sábado, válido pela terceira rodada do Carioca Evangélico, que está em sua sétima edição, Parábola FC e Galáticos da Catedral fizeram um jogo de encher os olhos dos presentes ao Pau Ferro FC, no bairro do Pechincha, em Jacarepaguá. Equilibrado, disputado e de alto nível, o duelo acabou sendo vencido pelo Parábola por 2×1.

O Parábola F.C começou o jogo muito bem caindo em cima dos Galáticos com ataque e contra- ataque . As equipes mostraram qualidade com bons toques de bola e jogadas inteligentes, mas o time de Bangu levava certa vantagem. Aos  12  minutos, em uma arrancada de Jefferson, que correu pelo campo com a bola no pé , balançou a rede fazendo seu primeiro gol na partida e abrindo o placar.

O jogo seguiu muito equilibrado na primeira etapa, o Galáticos melhorou na partida e passou a chegar com perigo. O empate saiu aos 23 minutos depois que Kelvin passou para John deixar tudo igual. 1×1.

No segundo tempo o jogo começou no mesmo ritmo  mas o tempo esquentou com muitas marcações em cima d que correu pelo campo se desviando do adversário e ganhando confiança e, com passe de Felipe Neves que deu novamente a oportunidade de Jean fazer um golaço que balançou a rede pela segunda vez e fez virar o placar . Placar 2×1.

Os Parábolas eram persistentes e jogavam com garra dominando toda a partida e confabulavam o tempo todo entre eles  e o  time dos Galáticos desesperados  correram atrás do prejuízo e não desistiu caindo pra cima, suaram bastante a camisa para chegar até o gol que infelizmente não aconteceu.

Um 2 x 1 para o Parábola que mostrou um belo futebol e vai surpreender muito no campeonato . Já o Galáticos precisa recuperar suas forças e melhorar suas jogadas e mostrar na próxima partida o  futebol que fez no jogo anterior.

O jogador que mais se destacou na partida  foi o jogador  Jean da Silva que soube cumprir com louvor o seu papel na equipe e o goleiro do Galáticos, Samuel Pereira que mesmo perdendo agarrou muitas bolas difíceis.

Próxima etapa será ( fase) O Parábola disputará com ( time); e Galáticos jogará com (time).

Galáticos FC volta a se avassalador, goleia a segunda e garante a vantagem do empate nas Quartas do Carioca

Por Walter Paz

Pela segunda rodada do Campeonato Católico, o Galáticos FC, de Caxias, enfrentou o Centro Dom Bosco e conseguiu a segunda vitória na competição, ambas com goleada. O 11×2 desse sábado já garantiu à equipe a vantagem do empate nas quartas. O craque do jogo foi Joldair, com quatro gols marcados.

O jogo começou bem competitivo com o Galáticos impondo uma postura mais ofensiva e o Dom Bosco tentando equilibrar a partida através da força física, marcando as saídas principais de ataque do adversário e buscando surpreender nos contra-ataques. O início da vitória foi construído por Denílson, que numa cobrança de falta, forte e no canto, tirou qualquer ação de defesa do goleiro, abrindo o marcador.

O Galáticos, aos poucos, foi dominando as ações ofensivas, buscando o seu maior número de atletas à disposição e variando nas substituições, minando o fôlego do adversário e impondo sua melhor distribuição tática. Conforme o primeiro tempo foi passando, o Galáticos foi construindo a vitória com uma certa facilidade com Denílson marcando mais duas vezes.

O  Dom Bosco, com menos atletas à disposição no banco e um visível nível técnico abaixo do adversário, acabou por se tornar uma presa fácil, embora o seu camisa 10, João Fernando, autor de um gol e tendo participação no segundo gol da sua equipe que acabou sendo contra, fosse o lapso de consciência numa equipe sem quociente. O Primeiro tempo terminou favorável ao Galáticos pelo placar de 5 x 2 marcando Denílson (3), Joldair e Jorge Luiz, com um gol contra e um de João Fernando para o Centro Dom Bosco.

O segundo tempo mostrou-se mais para ritmo de treino do que uma disputa de campeonato. Com o ânimo baixo e sem perspectiva de reação na partida, o Dom Bosco, aos poucos, via seus poucos esforços se esvaírem diante de um descompromissado Galáticos que, já contando com a vitória e percebendo a falta de combatividade do adversário, passou a se lançar ao ataque com menos esforço, muitas vezes em lances esporádicos e outras vezes em boas jogadas individuais, com o seu camisa 15, Joldair, sendo o seu maior destaque na partida, com quatro gols marcados.

No fim a goleada acabou sendo justa, embora os próprios atletas da equipe vencedora entenderem que o fato do adversário estar inferior tecnicamente, acabou contribuindo para uma displicência maior do time no segundo tempo.

O jogo terminou com o placar de 11 x 02 para o Galáticos com Joldair (04), Denilson (03), Airton (03) e Jorge Luis para a equipe vencedora e um contra e outro de João Fernando para o time perdedor.

Águia da Paz vence a segunda no Carioca e garante a vantagem do empate nas Quartas

Por Evania Cristina

Neste último sábado, dia 01 de setembro, aconteceu a partida entre Amigos de Cristo e Águia da Paz pela segunda rodada do Carioca Católico. Debaixo de sol forte, os times se enfrentaram numa partida difícil. O Amigos em Cristo, que sofrera uma goleada, estava disposto a fazer diferente; já o Águia da Paz, que atropelou o Centro Dom Bosco, mesmo chegando atrasado e quase perdendo por W.O, fez a lição de casa direitinho. O camisa 9 do Águia, Bruno, foi o grande destaque da partida.
A partida começou um pouco morna, já que as duas equipes demoraram a balançar a rede, com vários  laterais e poucos chutes a gol. Apesar da maior posse de bola, o Águia da Paz não conseguia completar as jogadas, sempre bem marcado pelo adversário. O time de Ipanema perdeu um gol praticamente feito, com Rodrigo de cara para o goleiro. Em seguida, o Amigos em Cristo seguiu tocando e Luan perdeu uma grande chance de abrir o placar. Então Mário fez um ótimo cruzamento para Márcio, que chutou para o gol e tirou tinta do travessão. O jogo seguiu sofrido até que Dudu, camisa 99 do Águia da Paz, assistido por Pedro, finalmente fez o primeiro gol. Logo após, o mesmo perdeu pênalti e o técnico fez uma parada, aos 14 minutos do primeiro tempo, para dar ânimo aos seus jogadores. O time continuava chamando o jogo até que Rodrigo cobrou lateral e Bruno colocou a bola na rede novamente.
Já no segundo tempo, o time de Ipanema continuou sufocando, com Bruno perdendo mais um chute a gol. Até que Rodrigo, oportunista, seguiu tocando, fez o cruzamento para Bruno que completou a jogada com um golaço. Mostrando que ainda estava vivo na partida, o time de Sulacap reagiu e Alexandre, sozinho, chutou de fora da área e faz um belíssimo gol, dando fôlego ao time. O jogo seguiu amarrado, com as duas defesas fechadas, e algumas tentativas sem sucesso de ambas as equipes. Com a maior posse de bola em quase todo o jogo, os meninos da zona sul perderam mais uma chance, e então Pedro deu uma arrancada e tocou para Dudu fazer o último gol do Águia da Paz na partida. Como o jogo só acaba quando termina, o time de Sulacap ainda não tinha entregue os pontos e marcou mais dois gols, mostrando o amor à camisa. Alexandre e Bruno marcaram para o Amigos em Cristo. Mas a vitória foi mesmo do Águia da Paz, 4×3.

Mesmo desfalcado, o Águia da Paz mostrou sua força e, com duas vitórias, já garantiu a vantagem do empate nas Quartas, faltando um jogo para o final da primeira fase; vai enfrentar o Galáticos FC. Já o Amigos em Cristo, mesmo com nova derrota, foi valente e quase reagiu na etapa final, o que deve ser um alento para a próxima rodada, dia 15, quando encara o Centro Dom Bosco.

 

 

São Pedro FC goleia SBSC FC e volta a mostrar que é um dos favoritos ao título do Carioca

Por Lucas Bichão

O duelo particular entre São Pedro FC e SBSC FC terminou com vitória de uma das equipes pela primeira vez na breve história desse confronto. No Carioca Católico da 1ª Edição, os times se enfrentaram em duas oportunidades e ambas com igualdade no placar.

Desta vez o São Pedro goleou seus adversários por 7 a 2, resultado que o torna um dos favoritos para passar para a fase eliminatória. Enquanto os vencedores ficam com 100% de aproveitamento nos dois jogos realizados até o momento, o SBSC continua sem pontuar neste torneio.

São Pedro mostra perfil de vencedor desde o início

Diferente da última dos últimos dois embates entre as equipes, onde a igualdade em qualidade técnica pôde ser observada, o São Pedro FC entrou em campo como um time mais imponente e maduro. A conhecida qualidade técnica de Ralf ainda se sobressai se comparada com a de seus companheiros, mas o time demonstrou alta capacidade de se virar sem o camisa 3.

Apesar da independência do brilhantismo de Ralf, foi dele o gol de abertura. Thomas encontrou o ala, que bateu bem para as redes. Não houve mudança no segundo tento do time, no qual a dupla repetiu o feito. Mas, pouco antes o SBSC havia empatado com Marcos Vinicius.

O 2 a 1 do placar não demorou para ser batido, na verdade agredido até com certa ignorância. Felipe recebeu de Ralf e foi aos trancos e barrancos, chutando e dividindo até chegar à rede. A garra do autor do gol demonstrava mais uma vez a gana pela vitória.

O São Pedro ainda cedeu espaço para Marcos Vinicius diminuir o placar, momento da partida em que ainda havia alguma pressão e reação por parte do time de Vigário Geral, mas com o fim do primeiro tempo também veio a escassez de esperanças.

Ralf volta a fazer quatro gols em uma partida

O segundo tempo rendeu mais elogios ao ala do São Pedro FC. Se na primeira rodada do carioca ele havia feito quatro (4) gols e dado duas (2) assistências, o feito voltaria a se repetir neste segundo jogo.

Os primeiros minutos da etapa final foram complicados e intensos, mas sem nenhuma chance clara de ambas as equipes. Foi preciso que Jean encontrasse Ralf para que o ala fizesse o placar andar novamente.

Se a fase já era boa para o camisa 3, o goleiro do SBSC ainda resolveu ajudar. Após arremate de fora da área, o arqueiro inocentemente espalmou a bola para a entrada do gol e justamente onde Ralf se encontrava. Com 5 a 2, bastaram Igor e Felipe fecharem o famoso caixão da derrota.

Mais uma vez o SBSC marca apenas 2 tentos em uma partida e é derrotado, uma campanha incomum para o time que foi 4º colocado na última edição e obteve o melhor ataque do campeonato naquela oportunidade. Enquanto isso, o São Pedro avista um horizonte muito mais promissor.

A pergunta que fica agora é: será que o ditado “Tudo que acontece uma vez pode acontecer duas, mas tudo que acontece duas vezes vai acontecer uma terceira” vai ser aplicado no caso de Ralf?

Notas Relevantes

Ralf (São Pedro FC | Ala) – 10: o ala é o grande diferencial de uma equipe com potencial. Obteve os mesmos números da última partida e atingiu a nota máxima mais uma vez (a primeira deste cronista que voz escreve). Dono de uma qualidade técnica inegável e de uma humildade enorme quando é entrevistado.

Felipe (São Pedro FC | Pivô) – 7,5: foi o centro das atenções em um ataque muito móvel, fazendo exatamente o que se espera de um jogar em sua posição: segurar a bola e marcar gols.

Marcos Vinicius (SBSC FC | Meia) – 7,0: foi um dos que mais fez pelo time no primeiro tempo e o único que aproveitou as chances que teve. Mais uma vez o SBSC cansou na segunda etapa, como foi contra o Newell’s, porém nesta oportunidade ainda teve chances reais de chegar à vitória.

Focado no Bi, Newell’s Aposentados Boys goleia Real Boleiros e vence a segunda no Carioca

Por Rayane Quintanilha

A segunda rodada do Campeonato Católico começou surpreendente e cheia de emoções. 12:20 no clube Pau Ferro a bola rolou entre o campeão do campeonato no ano passado, Newell’s Aposentados Boys e o estreante Real Boleiros Futebol e Ousadia.

O Real, que não começou o campeonato com boas impressões, entrou em campo com sede de vitória. A equipe estava confiante de que poderia fazer diferente da primeira rodada, afinal, o grupo estava muito bem concentrado e atento a todos os comandos do técnico. Entretanto, com calma e acompanhados da experiência, o Newell’s chegou e mostrou aos poucos que a tranquilidade é fundamental para um resultado de êxito.

A bola rolou e Matheus lançou a bola para Eduardo que quase marcou já no primeiro lance do jogo. Contudo, o Real não se deixou intimidar e logo respondeu com um belíssimo passe de letra, Cláudio tocou para Bruno que finalizou o lance com um belo chute, mas o goleiro adversário Luander estava atento. As respostas eram rápidas, o jogo era pegado, ambas as equipes trabalhavam bem suas posses de bola. Mesmo com a equipe azul sabendo manter por maior tempo a bola nos pés, isso não era o suficiente a ponto de conter a ousadia dos meninos Boleiros. Todavia, a audácia dos jovens rapazes não era suficiente, o Real começou a se desorganizar e sentir a pressão, ocasionando por alguns momentos até certos desentendimentos dentro da própria equipe.  Sempre com toques de bola simples, aproveitando as oportunidades nos momentos mais oportunos, o Newell’s acertou um lance de bastante eficácia. Próximo da área adversária, num lance de bola sobrada, Matheus soltou uma bomba que passou bem na frente do gol. Por conseguinte, Bruno acertou um chute que encobriu o goleiro. Real abriu o placar 1 x 0.

Duas respostas consecutivas e todas com participação de Emerson foram fundamentais para o rápido empate. Emerson carregou a bola, bateu pro gol e deixou o placar igual, 1×1. Logo em seguida, com passe de Diego Gonçalves, Emerson virou o placar, Newell’s 2×1. Aos 23’ Matheus quase marcou o terceiro de seu time, mas o primeiro tempo termino com a vantagem mínima para o time da Vila Kennedy.

O jogo recomeçou e o campeão da temporada passada entrou em campo com sua formação original. O Real, por sua vez, não deixou de acreditar que seria capaz de virar o jogo e vencer a partida. Entretanto, logo no início, Darlan tocou a bola para Irving que não perdeu tempo e, com tranquilidade, marcou o terceiro pro Newell’s Aposentados boys. 3 x 1. Mas o Real Boleiros tinha muita garra, e talvez seja esse o adjetivo que o definiu na partida. A reação veio rápido, após um lance faltoso cometido por Bruno Luis, digno de cartão amarelo, o Real marcou um golaço, um chute de meio de campo, sem marcação e com espaço para chutar Fabrício marcou o segundo de sua equipe, 3×2. O time que por outrora apresentava desorganização reagia de maneira vagarosa, mas produtiva.

Apesar de apresentarem bom desempenho momentâneo, o sol parecia querer iluminar o outro lado do campo. A temperatura esquentava não somente nos ânimos dos jogadores, mas também, no corpo físico. O desgaste começou a prejudicar a equipe do Real e seus jogadores começavam a sentir o cansaço.  Nesse ínterim a experiência em conjunto à maturidade fizeram com que a bola trabalhada com calma por Leonardo Gomes, chegasse a Darlan que, sem pudor, empurrou para o gol, marcando mais um para o atual campeão. Boys 4 x 2 Real. Todavia, nem sempre a experiência é de um todo sã, ela também pode falhar e um pisão na bola pode ocasionar um deslize. Logo, depois de Irving pisar na bola literalmente, Ricardo aproveitou a sobra e mandou pra dentro. Real ainda estava no jogo e mostrava que mesmo cansado não desistia, 4×3.

Os lances eram todos muito perigosos e o nível dos times oscilava, o que não seria capaz de dizer absolutamente nada, até porque ambos os times continuavam marcando, independente do rendimento. Essa sede de gols e a tranquilidade que Jansen transmitia para seu time, mesmo quando outrora estava fora de campo, foram cruciais para que ele carregasse a bola até a cara do gol e tocasse para Adeilson marcar. Boys 5 x 3 Real. Mesmo preocupado, errando alguns passes e meio desestabilizado, Cláudio Pereira achou uma oportunidade de driblar o time azul, trabalhar em equipe e tocar para Leonardo Teixeira mandar pra dentro. Era a maneira como o time rosa reagia, correndo atrás de gols. 5 x 4. Inesperadamente o cansaço e fadiga começavam a atrapalhar o time que era sinônimo de garra e força de vontade e as coisas começavam a não render como antes. Os lances ficavam cada vez mais difíceis e o experimente Newell’s viu a oportunidade de ampliar, dai em diante consagrou-se o melhor na partida. Abriu uma vantagem absurda sob o grupo Real Boleiros que apresentou esforço e força de vontade em todo o jogo. Foram QUATRO gols seguidos sem nenhuma reação adversária perigosa.

O camisa 10, Adeilson, que dos nove gols do time marcou dois e deu assistência em outros dois, apresentou rendimento de 44% no quesito gol. Apesar dele ter tido uma participação fundamental ao resultado final, a tranquilidade parecia ser como um jogador a mais em Campo. A bola já não saía dos pés dos experientes Boys e todos os lances já eram previsíveis a gol. De um belo passe de Darlan Pereira, que também apresentava alto rendimento em Campo, Adeilson apareceu para marcar, 6×4. Jansen ao longo do jogo pedia para que a equipe fizesse o clássico arroz com feijão(simples mas eficaz), também apareceu e ampliou pro time, uma bela assistência de Irving foi crucial para que Jansen fizesse o sétimo gol do Newell’s, 7×4.

Desse momento em diante, o Real já não acreditava numa possível reação e toda aquela concentração do início foi perdida. Adeilson continuava carregando a bola por todo campo até encontrar Darlan que marcava o oitavo do grupo, 8×4. A dupla jogou muito bem e a desenvoltura em campo foi benévola, ambos são jogadores que claramente jogariam como titulares em qualquer equipe de futebol do Brasil.

No último minuto de jogo, lá estava ele mais um vez aparecendo para servir, Adeilson levou a bola da sua área até o campo adversário, tocou para Emerson que fez o último gol do jogo, 9×4.

Embora não tenha vencido, o Real deixou uma clara lição de que a concentração e o foco no jogo são capazes de obter resultado satisfatório. Caso contrário, não teriam feito 4 gols na experiente equipe do Newell’s. Entretanto, o Campeão do Carioca Católico demonstrou que menos sempre é mais, que o foco precisa estar em todo jogo e que a calma precisa ser constante. Esse talvez tenha sido o maior segredo da vitória!

 

 

Parábola FC volta a mostrar força, joga bem e vence a segunda no Carioca

Por Rodrigo Ávila

Em uma tarde ensolarada e muito quente, Barcelife e Parábola FC se enfrentaram pela 2º rodada do Campeonato Carioca Evangélico. O jogo foi bastante intenso, com as duas equipes alternando o controle da partida e não desistindo da busca pela vitória, que aconteceu no final da 2º etapa, com a equipe da zona oeste levando a melhor e vencendo por 4×2. O melhor jogador foi o ala Jean da Silva, o Café.

Primeiro tempo de domínio do Parábola

A equipe de Bangu começou o jogo com tudo, já indo para cima e impondo o seu ritmo de jogo. Logo nos dois primeiros minutos, já havia tido duas boas oportunidades e o time azul-grená pareceu sentir o golpe. Na tentativa de saída de bola, Paulinho pressionou o zagueiro adversário, roubando a bola e rolando para Jean da Silva, o ”Café”, só tendo o trabalho de empurrar para o fundo da rede abrindo o marcador.

Mas não parou por aí. O Parábola continuou dominando, mostrando organização, mantendo a posse de bola e cansando o oponente. Seu pivô, Jefferson, deu bastante trabalho para o capitão do Barcelife, usando bem seu porte físico e deixando seus companheiros com chances boas de ampliar o resultado.

Café e Daniel trocavam constantemente de posição, confundindo a marcação adversária e achando espaços. Em uma dessas jogadas, Daniel tabelou com Charles e, de muito longe, arriscou chute rasteiro, com o goleiro Marlon quase levando um frango.

O placar era mentiroso até então, com o Barcelife torcendo para chegar logo a hora do intervalo. Mas, no final do 1º tempo, em cobrança de lateral na área, o zagueiro Ronaldo colocou o braço na bola, com o juiz assinalando o pênalti. Luís Victor, o Neguinho, foi para cobrança e bateu com categoria, no ângulo esquerdo, sem chances para o goleiro. Tudo igual no placar.

Barcelife volta melhor

Chegou o 2º tempo e o Barcelife voltou animado após o gol de empate. Aproveitando que o Parábola trocou boa parte dos seus jogadores, os azuis-grenás foram para cima, com o meia Rafael Rodrigues quase virando o jogo, em jogada individual, com a bola passando rente a trave.

O Parábola tentou pôr a bola no chão e retomar o controle do jogo. Em jogada do camisa 28, Jean de Oliveira rolou para o atacante Fábio, que fez o pivô, com Jean finalizando e obrigando o goleiro Marlon a fazer bela defesa. O jogo estava bem mais truncado na segunda etapa, mas no rebote de uma falta, Rafael virou o jogo para o Barcelife, acertando um belo chute no ângulo. A equipe de Bangu estava sentindo falta de ”Café”, que fez um excelente 1º tempo e estava no banco de reservas. O treinador percebeu isso e colocou o garoto em campo.

O time da zona oeste foi para cima e teve algumas oportunidades de empatar. Felipe fez boa jogada pelo lado esquerdo, encontrando Jorge sozinho na área, mas ele perdeu uma chance claríssima, cabeçeando para fora. Mas, de tanto martelar, o empate veio e chegou em um gol despretensioso. Jean bateu rasteiro na entrada da área, a bola passou por todo mundo e entrou no cantinho. O Barcelife sentiu demais o golpe e o cansaço por ter apenas um jogador no banco de reservas. O Parábola se aproveitou disso, virou e ampliou muito rápido o jogo, em dois lances seguidos. Matheus, livre na área, e após linda jogada de Daniel, limpando três adversários, rolou para Jorge colocar um ponto final na partida.

Mais três pontos para o Parábola que apresentou um belo futebol e tem tudo para surpreender no campeonato. Já o Barcelife precisa se recuperar, pois soma apenas um ponto, nos dois primeiros jogos.

Na próxima rodada, dia 15, o Parábola enfrenta o Galáticos da Catedral e o Barcelife encara o Galáticos JS.