100% Triunfo: Vivendo em Triunfo faz 7×1 no Partidários e é o novo CAMPEÃO Carioca Evangélico

Por Marcio Nunes

Na tarde do último sábado, 09/12, foi realizada a final da 5ª edição do Carioca Evangélico no campo do Pau Ferro Futebol Clube, Pechincha. Em campo, o atual campeão do Torneio de Inverno, Vivendo em Triunfo, diante do duas vezes e atual vice-campeão, Partidários, mediram forças em busca do inédito título da competição. O que se esperava de uma decisão de campeonato, equilíbrio, não aconteceu e, por uma série de fatores, esta não foi uma final que ficará marcada de forma positiva na história do torneio.

O Triunfo entrou em campo para disputar seu segundo troféu em sua segunda participação em competições evangélicas com o uniforme tradicional: o azul e branco. O Partidários deixou a camisa celeste de lado e foi à campo com as cores da Alemanha, campeã do mundo em 2014, buscando a inspiração na seleção bávara em busca da tão sonhada taça, que já havia escapado duas vezes.

Fora de campo, ao contrário do que vivemos na última edição do Cariocão, não teve barulho e nem torcida. Dentro dele, uma arbitragem polêmica, confusão entre jogadores das duas equipes, oito gols marcados e atuações bem distintas do que ambos os times apresentaram nas fases anteriores, marcaram um confronto para lá de surpreendente. Mas vamos ao que realmente interessa: o jogo.

O Primeiro Tempo

O duelo começou tenso, com as duas equipes imprimindo uma forte marcação e reduzindo os espaços, o que resultou em chutes de longe. O primeiro lance de perigo foi do time de Belford Roxo com Marcelo que recebeu passe próximo à grande área e arriscou de primeira, mas para fora. O jogo não estava fluindo como gostaríamos devido a marcação sob pressão de ambos os lados, até que o Triunfo encontrou uma brecha e não desperdiçou. Marcelo achou Michael Douglas pela ponta esquerda que dominou e acertou um chute rasteiro cruzado para abrir a contagem. E quase ampliaram em cobrança de escanteio quando Marcelo levantou na cabeça de Alex que desviou pela linha de fundo, levando muito perigo.

A resposta do Leão de Bento Ribeiro veio em um contragolpe muito veloz com uma troca de passes rápida. Michael avançou em velocidade pela esquerda, lançou para Luciano na ponta direita que deixou curtinho dentro da área para finalização de Bolt, mas o goleiro Marcus saiu de forma espetacular no lance e fez uma grande defesa. Três minutos depois, o Triunfo ampliou o marcador com o rapaz que tem nome de gente famosa, Michael Douglas. Matheus tocou na frente para o camisa 4 que arriscou de fora da área e a bola passou por baixo do goleiro Rodrigo. Um “frango” em uma final que desestabilizou o time.

Desorganizado taticamente, o Partidários via o adversário crescer na partida e tentava encaixar um contra-ataque. Quando finalmente conseguiu, foi uma pintura. Luciano avançou pela esquerda, rolou para Michael dentro da área que deixou curto para Marcelo soltar a bomba e diminuir o placar. Na saída de bola foi a vez do Marcelo do Triunfo quase estragar a comemoração dos leões com chute da entrada da área, mas Rodrigo fez grande defesa, se redimindo do gol sofrido.

Leandro, melhor jogador dessa final, participava da criação de todas as jogadas do Vivendo em Triunfo e jogava em todas as posições, aparecendo nos quatro cantos do campo de jogo. Não satisfeito em ficar apenas articulando as jogadas de seu time, foi ao ataque e deixou sua marca. Recebendo passe de Matheus na entrada da área, o camisa 17 fez o giro em cima da marcação, levou para a perna direita e bateu cruzado, no contrapé do goleiro.

O time de Bento Ribeiro sentiu o golpe e viu o adversário crescer cada vez mais na partida. Primeiro Matheus arriscou chute da esquerda, mas para fora. Na sequência, Marcelo cobrou escanteio e Leandro acertou um belo chute de primeira para estufar a rede da meta defendida por Rodrigo que sequer pulou na bola. Mais uma falha do goleiro que fez um ótimo torneio. E para finalizar a primeira metade da decisão, Marcelo chutou do seu campo de defesa, a bola quicou na frente de Rodrigo e morreu no fundo gol, registrando mais uma falha grotesca do arqueiro na finalíssima do campeonato. Vivendo em Triunfo 5 x 1 Partidários.

Fim de um primeiro tempo tenebroso por parte do Partidários em que, definitivamente, seu goleiro não estava em um bom dia e nada dava certo. Apesar da grande vantagem no placar, o Triunfo fazia uma partida aquém do esperado, porém bastante superior ao adversário e suficiente para garantir mais um troféu para sua galeria.  A não marcação de faltas e a postura do árbitro gerou uma série de reclamações por parte das duas equipes, principalmente pelo fato de o juiz optar por ficar posicionado na lateral do campo, na altura da linha que divide o gramado, não permitindo que observasse de perto alguns lances importantes. Dadas as circunstâncias e apesar de muito contestável, não é possível afirmar que o árbitro do jogo teve influência no resultado final.

O Segundo Tempo

Os 25 minutos finais não foram muito diferentes do que já havíamos presenciado. Logo no começo da segunda metade do confronto, o Triunfo chegou ao sexto gol. Marcelo, que já havia marcado, deu sua terceira assistência cobrando corner preciso na cabeça de Alex que, finalmente, balançou a rede. O Partidários tentou manter a fé em uma reação histórica, foi ao ataque, criou oportunidades, mas esbarrou no goleiro Marcus. Na primeira tentativa, João cobrou escanteio e Elton cabeceou, mas o goleiro, pouco exigido durante a partida, espalmou pela linha de fundo. Di Maria, sumido até então, fez jogada individual pela direita, pedalou para cima da marcação e chutou, mas saiu fraco e Marcus não teve dificuldades.

Daí para frente foi jogo de um time só. O Triunfo, mesmo vencendo por cinco gols de diferença, passou a jogar como se precisasse buscar o resultado, marcando sob pressão, diminuindo os espaços do adversário e imprimindo um ritmo acelerado de jogo. Em cobrança de falta, Alex acertou um chute forte, Rodrigo fez a defesa, mas quase levou outro “frango” para casa quando a pelota ameaçou passar por debaixo dele, novamente. À todo vapor, Leandro finalizou de fora da área e acertou o pé da trave. Na sequência, Alex arriscou de longe e Rodrigo espalmou.

Um calor típico do verão, ânimos exaltados, a tensão previsível de uma final e a falta de disciplina e controle do jogo por parte da arbitragem foram os ingredientes perfeitos para que se iniciasse uma confusão entre jogadores das duas equipes. Uma entrada mais dura de um, um cotovelo do outro e as faltas não marcadas estavam entaladas na garganta de todos. Um lance rápido em que não se sabe ao certo como começou, gerou uma série de empurrões e uma correria generalizada para evitar que chegássemos às vias de fato. No fim a confusão foi desfeita, ninguém ficou com raiva de ninguém, da mesma forma que ninguém foi punido e o jogo recomeçou como se nada tivesse acontecido.

Completamente fora de foco, o Partidários já estava consciente de que ficaria, mais uma vez, com o segundo lugar. Do outro lado, a serenidade estampada no rosto de quem já sabia que ficaria com o título. Sanderson cabeceou forte após cruzamento na área e Rodrigo, no reflexo, fez uma espetacular defesa. O último suspiro do Leão veio no fim do jogo. Bolt acertou forte chute de longe, Marcus bateu roupa e deixou sobrar para Michael que tentou uma cavadinha, mas a defesa afastou o perigo. O golpe de misericórdia saiu dos pés de Alex. O camisa 9 recebeu na entrada da área, fez o giro, bateu para o gol e a bola passou entre o goleiro e a trave e, de forma inacreditável, Rodrigo conseguiu seu quarto “frango” em um só jogo.

Fim de papo. O título foi para Belford Roxo! E, por uma ironia do destino, o Partidários, jogando com o uniforme da Alemanha, saiu de campo derrotado por 7 x 1. Ao time de Bento Ribeiro fica o estigma de “time do quase”. Aos campeões desta edição, a certeza de um time que entra para vencer e possui agora dois títulos em dois campeonatos disputados. Seus 100% de aproveitamento passam a ser um desafio para os rivais que assistem de camarote o surgimento de uma nova Era dominada pelo Vivendo em Triunfo. E, de quebra, Belford Roxo passa a ter três títulos contra dois da capital fluminense.

Desejamos a todos boas festas e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *