Avassalador, Guerreiro atropela Real BR, vence a terceira e já se garante nas quartas de final do Carioca

Por Rayane Quintanilha

A tarde de sábado, 15/09, animou o ânimo dos times Guerreiro FC e Real BR. Tudo indicava ser uma partida equilibrada ou até mesmo nivelada pelos quesitos, foco, fé e vontade. Antes da partida iniciar, o Real apresentava características que demonstravam a determinação e vontade de vencer do time na rodada. O que, por outro lado, não aconteceu com o Guerreiro, que ultrapassou um pouco o horário e não desfrutou daquele tempinho de concentração do pré-jogo.

A bola rolou e nos primeiros 4’ a organização do Real impressionava, o toque era preciso, a posse de bola se fazia maior com o time azul, mas faltava apenas o ajuste para que se chagasse ao gol. Se isso faltava de um lado, aparecia no outro. O Guerreiro tinha menos a bola, mas quando tinha oportunidade era vital. Bruno deu o primeiro chute a gol, mas o goleiro do Real estava atento e não deixou a bola entrar. Em seguida, após um contra-ataque sem muito sucesso do Real BR, aproveitando todo e qualquer espaço possível, Ernesto entrou na área sozinho e marcou o primeiro para o atual campeão. Guerreiro 1×0.

O jogo começava a se equilibrar a nível de oportunidades, entretanto se fazia muito faltoso.
Tão faltoso que antes mesmo de terminar o 1° tempo, o Guerreiro já tinha excedido seu limites de faltas. Após o primeiro gol o empate veio rápido; depois de um ataque bem trabalhado o gigante Andrew, sozinho, mandou um bomba para dentro do gol. A equipe que outrora era traída por seus erros de passe, agora voltava à determinação do inicio, 1×1.

Mesmo tendo aproveitado bastante o erro adversário, o Guerreiro também não estava isento de cometer suas próprias falhas. Tanto não estava que por um recuo errado de Bruno para o goleiro Geovane, Bruno, jogador do Real, estava  ligado e tocou para Andrew que virou  para o Real, 2×1. Com alguns conflitos entre os jogadores do mesmo grupo dentro de campo, o Real continuava buscando sua vitória e sabia das dificuldades do jogo. Dificuldades estas conhecidas por, Bruno , Ronald e Ernesto, o trio apresentava-se exímio ao jogo desde o apito inicial. Buscando a todo custo o resultado positivo, de rebote, Bruno marcou o terceiro de sua equipe, 3×1. O que poderia parecer sonho, a qualquer momento poderia tornar-se pesadelo. Ainda no 1° tempo, o Guerreiro se organizou a ponto de buscar o empate de maneira muito rápida. Gilson mandou um chute que deixou o goleiro Rodrigo sem chances de defesa, era o time amarelo reagindo como sempre fazia, 3×2. Logo não demorou e o zagueiro Lucas, sozinho na entrada da área, mandou bonito pra dentro do gol e comemorou bastante a busca rápida pelo empate 3×3.

2° tempo.

No segundo tempo o jogo virou literalmente, a postura assumida pela equipe do Guerreiro é sempre favorável a seus anseios, não é atoa que estão invictos na competição. As coisas para o Real que já não fluíam muito bem, como um castelo de areia, tendeu a desmoronar ainda mais. Após uma recuperação de bola excepcional, Ernesto deu o passe e Bruno finalizou, 4×3 Guerreiros FC.  Ambas as equipes tinham jogadores que destacavam-se e contribuíam muito para seus resultados, de um lado Ronald que só participou efetivamente do penúltimo gol do Guerreiro, mas esteve presente em 90% dos lances, bastava olhar para uma das laterais que lá estava ele participando de toda a movimentação e do outro o Goleiro do Real BR, Rodrigo, que por diversas vezes salvou o time.

Inesperadamente, mesmo com um ótimo goleiro, o Real sofria conflitos internos, motivo pelo qual fez com que aquele time focado dos 15 primeiros minutos, se perdesse completamente. As discussões e cobranças entre si fizeram com que os jogadores perdessem a capacidade de focar exclusivamente no jogo. Com isso, mais uma vez a equipe adversária se fez distinta. Daí por diante, mesmo sem desistir e correndo atrás, todos os resultados se fizeram favoráveis ao Guerreiro. Tentando uma reação, Di Maria virou um bolão para Andrew que por pouco não fez o quarto do Real.

Dessa forma, jogando tranquilamente, sem alterações de humor, desfrutando do entrosamento e harmonia, que o Guerreiro transformou o jogo num grande passeio.  João Filipe faz um pênalti em Ernesto que foi lá e marcou mais uma vez. 5×3 Guerreiro FC.
O Real passou a perder praticamente todas as bolas, era como se algo já não fizesse mais sentido no jogo, o time estava irreconhecível, ao passo de observar seu oponente marcar outras quatro vezes e chagar ao incrível resultado de 9×3.

Todos os outros quatro gols do time amarelo foram consecutivos, marcados faltando 10’ para o fim do jogo, era uma média de um gol a cada dois ataques. Ronald se consagrava como o craque da partida, seu movimento em campo era bom, todas as suas participações resultavam em gol. O sexto veio de uma jogada de Ronald para Bruno, que foi lá e mandou a bola pra rede, 6×3. Gilson, de rebote, marcou de novo, elevando novamente o placar, 7×3. Ronald aparecia mais uma vez, depois de Ernesto encobrir o goleiro com um belo lençol, Ronald empurrou e marcou o oitavo, 8×3. E no último lance do jogo, Danilo tocou para Ernesto que fechou o placar com o nono gol do Guerreiro. Final, 9×3.

O Guerreiro mostrou mais uma vez que está muito forte e focado no bicampeonato. Com três vitórias em três jogos, o time de Belford Roxo já está garantido nas quartas de final. Na próxima rodada o adversário será o GDC FC. Já o Real BR levou um duro golpe num jogo que dominava. Serve de aprendizado para uma equipe que também tem condições de chegar ao título. No dia 29, quarta rodada, o adversário será o Talentos da Fé.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *