Galáticos JS faz 14 gols no Barcelife, vence a terceira e está nas quartas de final do Carioca

Por Lucas Bichão

“Goleada” não define com precisão o que aconteceu no campo do Pau Ferro Futebol Clube no último sábado (15), quando Galáticos JS aplicou um placar elástico de 14 a 3 sobre o Barcelife. A partida foi um massacre com requintes de crueldade, onde se via apenas uma equipe jogar e outra simplesmente existir para não ocorrer o W.O.

O duelo marcou a estreia de um novo reforço para a equipe que traz em seu emblema uma homenagem ao Aston Villa (ENG). Felype Azevedo pisou pela primeira vez em campo para disputar o Campeonato Evangélico e marcou 7 tentos nos 50 minutos jogados, tornando-se automaticamente um dos artilheiros da competição.

Ataque “Blitzkrieg

A estratégia militar chamada blitzkrieg ficou conhecida pelo mundo da década de 1930 ao ser usada pelos alemães na intenção de invadir os países vizinhos e expandir o Império do 3º Reich. A “guerra-relâmpago” consistia em atacar de forma rápida, na qual não houvesse chances de o adversário se recuperar da surpresa.

O Galáticos JS talvez não conheça essa estratégia, porém a utilizou com primazia contra o Barcelife. Sem tomar conhecimento de seu adversário, avançaram com todo seu poderio bélico para abrir o placar. Alus mandou um tiro de canhão para as redes após passe de Felype Azevedo, ainda no início. Não demorou para que o estreante desse mais uma assistência e Jefferson também marcasse o seu.

Os azuis-grená até responderam a ofensividade adversária com a liderança de Rafael Rodrigues, que, sozinho, puxou um contra-ataque e bateu bem para tirar do goleiro. Porém, a sequência foi marcada por uma sucessão de 4 gols, havendo um hat-trick de Felype. Em termos bélicos e históricos, pode-se dizer que o meia teve uma pontaria digna de Vassili Zaitsev, franco atirador soviético de maior destaque na 2ª Guerra Mundial. A bola caía nos pés de Azevedo e ele guardava sem pensar duas vezes.

De falta Rafael Rodrigues até diminuiu para o Barcelife, mas o primeiro tempo já era de terra arrasada e isto era visível no placar (6 a 2).

Cabe mais gols?…

… Pensou o Galáticos JS ao ser iniciado o segundo tempo. O grupo mantinha a pressão alta no começo da etapa final, deixando apenas um zagueiro no campo de defesa. Os passes trocados possuíam alta velocidade, dificultando a marcação adversária.

Ataque fulminante pela lateral e gol de Wembley para o JS (7 a 2). Alus aproveitou a ausência do goleiro debaixo das traves para marcar a favor do Galáticos (8 a 2). A goleada ia se construindo com total consentimento do Barcelife.

O time de Piedade precisava da vitória, depois de empatar na 1ª rodada (4 a 4) e perder na 2ª (4 a 2), caso quisesse manter a esperança de uma classificação para a fase eliminatória. Mesmo assim cedeu outro hat-trick à Felype Azevedo (11 a 2), que passeava pela linha defensiva da forma que bem entendesse.

Ainda guerreando por diminuir o placar, o Barcelife tentou utilizar dos contra-ataques. Porém, quem ampliou foi o JS, gols estes concluídos por Yan (13 a 2).

Como uma forma de consolo ao sofrer uma derrota inafiançável, Rafael conseguiu seu hat-trick ao fazer o terceiro para os azuis-grená. O gol foi marcado à base de muita garra, ao buscar sozinho o ataque, vencer os defensores e bater o arqueiro. Mas, nem todo o ímpeto do mundo salvaria o Barcelife que ainda deixou passar mais um de Felype (14 a 3).

O revés na partida não era inesperado, mas a forma como se conduziu o foi. Não houve má sorte do Barcelife durante o jogo, mas sim um desnível técnico absurdo entre as equipes. A forma de jogar do Galáticos nesses 50 minutos o coloca em outro patamar, deixando-o como um dos favoritos ao título.

Notas Relevantes:

Felype Azevedo (Meia | Galáticos JS) – 10,0: depois de ter dado a primeira nota máxima (em um ano de trabalho) na última rodada do Campeonato Católico para Ralf, não posso nega-la aos feitos de Felype. Sete (7) gols em uma única partida e somando ainda mais duas (2) assistências, esses são números expressivos e que vieram acompanhados de um futebol leve e muito efetivo.

Jefferson Melo (Ala | Galáticos JS) – 8,5: atuando muito bem pelos lados do campo, Jefferson foi o fio que conduziu a bola da defesa do JS ao ataque por muitas vezes. Marcou apenas um (1) gol, mas sua importância para a equipe foi além do balançar das redes.

Rafael Rodrigues (Meia | Barcelife) – 8,5: em seu primeiro campeonato já vem mostrando o quanto é importante para seu time. Fez três (3) nessa partida, número esse que poderia ter sido maior se o grupo tivesse ajudado. Acuado no segundo tempo pouco pôde fazer para evitar a vitória adversária.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *