São Pedro FC derrota SBSC FC nos pênaltis e é o terceiro colocado do Carioca Católico

Por Lucas Bichão

Dia 14 de julho de 2018. Essa data ficará marcada na história como sendo o último dia da 1ª edição do Campeonato Carioca Católico. O duelo que esquentou o Campo 3 do Pau Ferro Futebol Clube antes da grande final foi entre São Pedro FC e SBSC FC, times que disputaram a 3ª colocação da competição.

Além da possibilidade de chegar ao pódio, existiram dentro de campo alguns duelos individuais que sacramentariam a briga pela artilharia e liderança no quesito de assistências. Tales do SBSC era o jogador com maiores chances de ser artilheiro da competição com 6 tentos marcados antes do apito inicial, sendo 3 a menos que Darlan do Newell’s Aposentados Boys. No entanto, o cenário mais plausível era o de Brites que possuía nas mãos o título de maior assistente e a manutenção do mesmo dependia apenas de seus próprios feitos.

O Jogo…

Não é anormal que partidas de futebol eliminatórias possuam uma fase de experimentação das equipes nos primeiros minutos de bola rolando. Os adversários que não se conhecem buscam se estudar, mantendo o sangue frio e evitando lances considerados mais perigosos e ousados. SBSC FC e São Pedro fugiram da regra e iniciaram com os dois pés no acelerador. Esse comportamento pode ser explicado pelo fato de que ambos os grupos haviam se enfrentado pela última rodada da fase classificatória, jogo que terminou em 3 a 3.

Durante o frenesi inicial de ataque contra ataque, a equipe que levou a melhor fora a que traz no seu nome um dos apóstolos de Cristo. Da entrada da área, Arian abriu a jogada para a lateral encontrando Joathan livre. O camisa 20 aproveitou o espaço mesmo com pouco ângulo para bater direto ao gol e estrear o placar no Campo 3.

A vantagem foi estilhaçada pouco depois por Tales. O artilheiro do SBSC farejou a oportunidade em lance bizarro no qual o goleiro Felipinho se assustou com a bola lançada na área e ofereceu a chance de um rebote inalienável. Com 7 tentos marcados, o camisa 10 dava mais um passo para atingir a artilharia.

A euforia dos primeiros minutos logo se transformou em desorganização. Não havia qualquer sistema tático que perdurasse mais do que alguns instantes. As equipes jogavam na tentativa, abdicando da técnica para contar com a sorte. Não foram poucos os lançamentos que se iniciavam na defesa e terminavam nas mãos dos goleiros. O empate em 1 a 1 se sustentou durante toda a etapa inicial, somente sendo alterado no segundo tempo.

Um dos responsáveis pela manutenção do placar empatado era o goleiro Iago PQD, do SBSC. Toda as vezes que os adversários acertavam um chute, lá estava ele para se consagrar como o nome da partida. O arqueiro apenas não pôde superar o brilhantismo de Igor Ribeiro e seu chute de foguete indefensável. Foi exatamente neste momento que a porteira se abriu para uma sequência de gols.

Utilizando a Lei da Troca Equivalente os deuses do futebol não só deram um golaço para Igor desempatar, mas também ofereceram um presente e tanto para Fábio provocar uma nova igualdade no placar. Rafael Lima cobrou um lateral despretensioso para a entrada da área e sem deixar a bola cair o camisa 5 do SBSC chutou com categoria para marcar o seu. Uma pintura por uma pintura e assim se fez valer o escambo.

Inspirado com sua própria arte, Igor Ribeiro cresceu na partida e passou a comandar o ataque do São Pedro. Vencia grande parte dos duelos e chegava sempre com muito perigo na meta adversária. Foi de seus pés que o 3 a 2 veio, após enfiada de bola de Xato.

Foi somente depois de sofrer o terceiro gol que o SBSC pareceu se incomodar em estar sempre correndo atrás do placar. O desconforto foi o grande motivo que gerou a virada. Oliveira, de falta, tomou a iniciativa para mandar uma bola forte e rasteira que matou o goleiro adversário. Marquinho protagonizou a virada em arremate preciso. Porém, foi Felipinho quem ofereceu a vitória ao time de Vigário Geral. Depois de bobeira da zaga, o arqueiro foi forçado a cometer um pênalti. Uma troca arriscada de um gol certo por um cartão amarelo e a possibilidade de o goleiro improvisado defender um lance direto. A aposta de Felipinho foi certeira e o cobrador adversário isolou a bola, mantendo as chances de empate ainda vivas.

Para aumentar o drama do SBSC, Ralf recebeu bola de Arian e empatou no último instante do tempo normal. O árbitro apitou o fim da partida enquanto os jogadores do São Pedro ainda comemoravam a igualdade no placar como uma vitória. O 4 a 4 levou ambos os grupos para as cobranças de pênalti, tendo o time do Recreio a vantagem psicológica de ter tirado o triunfo de seus adversários no final.

Nas cobranças, Igor Ribeiro e Arian converteram nas duas primeiras tentativas para o São Pedro. Marquinho e Rafael Lima mantiveram o SBSC na disputa. Ralf se posicionou para o terceiro e último chute antes das alternadas, o peso da conquista estava sobre seus ombros e para ele nada fizeram efeito, pois seu chute conseguiu balançar as redes. A responsabilidade foi então passada para Oliveira, membro essencial para a virada do SBSC. O camisa 11 foi para a bola e carimbou a trave com capricho.

Comemoração do São Pedro FC pelo fato de atingir o pódio do Carioca Católico como 3º colocado. Lamento do SBSC FC que terminou a competição com o melhor ataque (média de 7 gols por partida), mas que não conseguiu obter êxitos maiores no torneio.

Notas de Destaque:

Igor Ribeiro (São Pedro FC | Pivô) – 8,0: Não foi brilhante durante toda a partida, mas cresceu no momento certo para manter sua equipe competitiva. Nos momentos em que esteve fora na segunda etapa, o ataque do time não possuía peso ou ao menos demonstrava perigos de grande escala.

Iago PQD (SBSC FC | Goleiro) – 7,5: Teve boas chances de se tornar o herói da partida, mas acabou perdendo o rendimento na segunda etapa e nas cobranças de pênalti não mostrou qualquer sinal de que seria o fato decisivo para a vitória ou derrota. Suas defesas plásticas impressionaram, mas acabaram não sendo suficientes para salvar o SBSC da quarta colocação.

Arian (São Pedro FC | Meia) – 7,5: No futebol atual muito se fala dos heróis invisíveis, aqueles que estiveram presentes na organização e por vezes são aqueles que oferecem seus passes para que os artilheiros se consagrem. Arian deu duas assistências e foi impecável na cobrança de seu pênalti, o que o fez merecer uma nota de destaque na partida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *