Vinicius brilha, é o craque da rodada e leva Betel ao reencontro com a vitória no Carioca Evangélico

Por Lucas Bichão

O dia 20 de maio foi data de um dos jogos mais quentes do Campeonato Carioca de Igrejas Evangélicas de 2017. Entre gols bonitos e muitas faltas, o Betel FC venceu o time do Raridade pela 5ª rodada da competição estadual. Ambos os planteis se equipararam durante grande parte do jogo, porém a equipe que veste amarelo e vermelho mostrou um poder decisivo muito maior e com uma qualidade de encher os olhos.

A peleja começou um tanto quanto morna no Campo do Agrião. Betel e Raridade se estudavam, trocavam passes e postavam suas defesas de forma organizada. Parecia que ninguém queria arriscar perder pontos desnecessários. Para se ter uma noção das chances criadas, o lance mais perigoso foi um chute no qual Patrick, camisa 8 do Betel, desperdiçou chutando para fora.

O ânimo dos times só chegou após o primeiro balançar das redes na partida. Depois de um passe simples de Elton para Valdeir, o camisa 5 encheu o pé para marcar um gol do meio da rua. O jogador estava quase na linha de meio de campo quando bateu rasteiro, sem chances para o goleiro Moises. Com 1 x 0 a favor do Betel a partida começou a esquentar, tanto em bola rolando, quanto nos nervos dos jogadores.

Ainda no primeiro tempo, Erik, do Betel, deu um carrinho imprudente sendo o último homem. Como punição o juiz o afastou de campo por três minutos e a equipe amarela e vermelha estaria com um a menos nesse período. Porém, “poder” não é “acontecer” e o Raridade pouco aproveitou a vantagem para empatar. Sendo assim o placar magro foi mantido até o final do primeiro tempo.

O intervalo não foi de grande ajuda para a equipe do Raridade, o estresse que pôde ser visto em campo passou para a breve reunião que os jogadores tinham enquanto o jogo não retornava. Ao voltar para a segunda etapa, a equipe verde e branca só mostrou desanimo nos primeiros minutos e não esboçava qualquer sinal de que reagiria até o final.

Já o Betel estava com todo o gás para aumentar a sua vantagem no placar. Conseguiu essa proeza de forma magnífica, esta que veio pelos pés de Vinícius Silva. O lance era de bola parada, a falta não era tão distante de área e a barreira estava mal colocada, todos os indícios para sair um gol. O jogador do Betel chutou com precisão e Moises, goleiro do Raridade, nem chegou a pular na bola.

Assim como no primeiro tempo, o gol da equipe amarela e vermelha instigou os ânimos de ambos os times. As jogadas tornaram-se mais intensas e pegadas, o número de faltas cresceu e o de esbarrões mais que triplicou. Havia reclamação de toda parte, mas felizmente a bola continuava rolando para que mais lances de gols fossem criados. O Raridade tentava a todo custo abrir o placar no seu marcado, mas quando não errava, parava nas defesas de Magno ou via as bolas serem cortadas por Vinícius Silva.

O camisa 11 do Betel, por sinal, foi o grande destaque da partida. A pequena torcida, que também servia como banco de reservas do time amarelo e vermelho, gritava “Vinícius, Vinícius!” e ia à loucura toda vez que o rapaz tocava na bola. O jogador ainda teve a chance de marcar mais duas vezes, uma de cobertura em que bateu forte demais e outra que parou nas mãos de Moises.

Enquanto o destaque do Betel crescia na partida, os jogadores do Raridade ficavam cada vez mais nervosos. O time branco e verde ainda viu o placar aumentar com um gol de Reinaldo, após um contra-ataque rápido e fulminante.

E quando se pensava que nada mais poderia acontecer, eis que o Raridade muda o seu marcador com gol de Douglas. A reposição rápida mostrou um novo brio que não havia existido durante todo o jogo. Não muito depois, Robison marcou mais um para sua equipe e deu esperança de ao menos um empate.

Apesar das chances de igualar a partida, o que veio depois disso foi apenas reclamação e muita irritabilidade por parte do Raridade. A consequência foi um gol belíssimo do Betel, em mais um contra-ataque veloz. Reinaldo correu e ficou cara a cara com o goleiro, precisando apenas dar um toque por cima e definir os valores finais do placar, 4 x 2.

Cenas lamentáveis puderam ser vistas ao final do jogo, estas que não merecem grande destaque por aqui. Fica apenas a mensagem de que o esporte deve ser um ambiente de competição e fraternidade, não de estresse e discussão árduas.

O Raridade enfrenta o É de Deus na próxima rodada do Campeonato Carioca, enquanto o Betel FC terá seu confronto com o Partidários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *